sábado, 30 de abril de 2011

'Thor' de olho em reunião de super-heróis de 2012


Estreia do deus do trovão das HQs tem Natalie Portman e Anthony Hopkins.

Dirigido por Kenneth Branagh, longa é aperitivo do aguardado 'Os Vingadores'.

Assim como o filho de Odin, que nasceu predestinado a assumir o trono do Reino de Asgard, "Thor", o filme, estreia no Brasil nesta sexta (29) já de olho no futuro. O desempenho da nova superprodução nas bilheterias é fundamental para garantir o sucesso de um dos mais ambiciosos projetos da Marvel Comics no cinema desde o lançamento de "X-Men", em 2000, quando se inaugurou a atual onda de adatapções de HQs para a tela grande.
Ao lado do Capitão América - outro que debuta nos cinemas ainda neste ano -, Thor é a peça que faltava para completar o grupo de super-heróis Os Vingadores, que inclui ainda os já "adaptados" Hulk e Homem de Ferro. Juntos, eles voltarão com força às salas de projeção em 2012, no longa "Os Vingadores", sob a batuta do ídolo nerd Joss Whedon, autor da série de TV "Buffy" e do roteiro de diversas histórias em quadrinhos dos X-Men.
Quando é expulso para a Terra, Thor perde os poderes e não consegue mais levantar o martelo (Foto: Divulgação)"Thor", no entanto, tem também seu supertime para ajudar a conquistar a simpatia dos fãs. Além do rostinho de Natalie Portman, na pele do par romântico do herói, e de Sir Anthony Hopkins, como o deus nórdico Odin, o filme contou com a supervisão de um dos mais respeitados roteiristas da Marvel, J.M. Straczynski, que esteve à frente do título de Thor na editora entre 2007 e 2008 e escreveu algumas das histórias que inspiram livremente o roteiro do longa.
Quando é expulso para a Terra, Thor perde os
poderes e não consegue mais levantar o martelo
Um viking quebrando tudo
Mas é graças a um ator e diretor irlandês especializado em Shakespeare que "Thor" consegue romper o território dos fãs dos quadrinhos e resultar em um projeto interessante para o público em geral - e para os produtores de Hollywood, claro, que injetaram US$ 150 milhões na brincadeira. Para Kenneth Branagh, a história do pesonagem "bonitão, charmoso e destinado ao trono", mas que "não tem o menor talento para se tornar super-herói", tinha tudo para garantir boas risadas. "A ideia de um viking na Terra, quebrando tudo e entretido com os terráqueos, me parecia engraçada o suficiente para adicionar um elemento de humor a esta historia”, defendeu o cineasta em entrevista realizada no início do mês, em Londres, da qual o G1 participou.
No filme, Thor está prestes a herdar a coroa de Odin e assumir o mítico Reino de Asgard quando, em uma tentativa pouco sensata de demonstração de força, resolve atacar por conta própria os Gigantes de Gelo do planeta rival Jotunheim. Decepcionado e irado, Odin decide punir o filho, removendo seus poderes e enviando-o à Terra para aprender a lição vivendo como uma pessoa comum.
Abrutalhado e inseparável de seu martelo - Mjolnir -, o personagem é vivido pelo ator de 28 anos Chris Hemsworth, um australiano ainda desconhecido do grande público.
Em entrevista em Londres, Hemsworth reconhece que "foi intimidador" interpretar um super-herói tão querido e conhecido pelos fãs - sua primeira aparição foi em 1962, na edição nº 83 da revista "Journey into mistery". Mas, se nas HQs Thor é o "deus do trovão", para o ator australiano o segredo foi fincar os pés do personagem de volta ao chão. “Eu apostei em simplificar e procurei não pensar que interpretaria um Deus, mas, sim, um irmão em meio a uma família”, explicou o novo candidato a galã, que mede 1,91 m de altura e passou por preparação física intensa de quatro meses para viver o herói - ele já disse que chegou a ganhar 10 kg.
Tom Hiddleton rouba a cena como Loki, o irmão invejoso de Thor (Foto: Divulgação)Tom Hiddleton rouba a cena como Loki, o irmão
invejoso de Thor 
Entre irmãosO "irmão" de Thor a quem Hemsworth se refere é Loki, vivido por Tom Hiddleston. O ator britânico rouba a cena como o invejoso irmão que assume o trono de Asgard, depois que Odin adoece e destitui Thor de seus poderes. “Você percebe que Loki é psicologicamente frágil. Ele tem um sentimento de que não pertence àquele lugar e sabe que nunca vai ter seu lugar ao sol. Eu acho que o ímpeto de sua busca por autoestima vem desse sentimento de ser pouco valorizado e pouco amado”, comentou o ator sobre seu personagem tipicamente shakesperiano.
Enquanto, na ficção, a disputa fratricida se dá entre Loki e Thor, na vida real, Hemsworth também teve de enfrentar alguém da própria família para ficar com o papel de protragonista. “Nos testes finais de elenco eu competi com meu próprio irmão mais novo [Liam Hemsworth]. Ele estava entre os quatro últimos da lista, mas acabou não sendo chamado e eu ganhei o papel”, explicou o ator, esclarecendo que nenhuma gota de sangue foi derramada no processo.