terça-feira, 26 de abril de 2011

Twisted Metal está de volta


Finalmente Twisted Metal está de volta na forma perfeita em que foi concebido, sabe porque? Um jogo de arena single-player pode até ter feito sentido no Playstation e Playstation 2, mas cansou e não faz sequer o menor sentido hoje. É o jogo multiplayer perfeito fugindo dos FPS que lotam o mercado: correr, atirar, saltar arriscando ainda algumas acrobacias e rir muito, tudo misturado com muita destruição.
Twisted Metal (Foto: Divulgação)Twisted Metal 
Pelo menos nas versões de PS1Twisted Metal era grotesco e falho. Slowdowns constantes, bugs variados e aquelas malditas paredes transparentes que muitas vezes criavam “tetos” para que seu caminhão de sorvete não voasse muito alto. Já na versão de PS2, o que pecou e pecou em relação aos controles, até hoje não entendemos como conseguiram estragar “Black” no que já estava perfeito há muitos e muitos anos atrás. 
Mas e se uníssemos tudo isso ao poder do PS3, mantendo ou tentando manter os 60fps, boa jogabilidade, multiplayer caótico (no bom sentido) com tiros vindos de todos os lados, carros voando por cima, outros explodindo ao seu lado… Temos um provável jogo a se comprar e jogar por muitas horas. 
David Jaffe é o criador da série e está trabalhando na nova versão do jogo em sua empresa chamada Eat Sleep Play, onde estudou a fundo o que poderia ser feito para que Twisted Metal renascesse das cinzas. Inicialmente o projeto era para ser um game por download naPSN, porém a Sony viu uma oportunidade melhor e decidiu lançá-lo em Box, provavelmente vendo versões betas do que estava se tornando o jogo. Para quem não sabe, o polêmico David Jaffe criou Twisted Metal e foi um dos criadores de God of War, sendo diretor da primeira versão para Playstation 2
Twisted Metal (Foto: Divulgação)Twisted Metal 










Na coletiva da Sony divulgando os jogos da empresa para o fim do ano, Jaffe disse queTwisted Metal dificilmente se enquadraria nos estilos de jogos de hoje. Jogo de corrida realmente não seria, pois antes mesmo de terminar a primeira volta você já explodiu. Jogo de tiro também não, mas é o mais próximo. Jaffe tem chamado Twisted Metal de jogo de luta, pois você se move muito rapidamente e as armas são a chave de uma boa partida. Em outro ponto podemos dizer que a disputa aqui fica em torno da competição entre os jogadores, coisa comum nos jogos do gênero. 
O novo Twisted Metal está sendo desenvolvido por um dream team, além de o criador original ter voltado as origens para conceituar a nova versão para PS3, ele conseguiu reunir grande parte da equipe original do primeiro jogo dentro da empresa Eat Sleep Play. Podemos esperar que Twisted Metal seja um jogo novo “reciclado” das coisas boas dos antigos, o multiplayer contará com grande parte das novidades. Twisted Metal não é apenas um jogo de tiro e corrida como era antes, ele contará com muita estratégia e muitos elementos a se pensar, digno dos bons shooters multiplayer do mercado. 
Pelo que foi falado, ao se jogar o novo Twisted Metal todos os carros se mostram bem balanceados, nada de mudanças muito grandes entre um e outro. Antigamente algumas dessas máquinas mortais caíam no esquecimento, pois derrapavam demais ou eram falhas em algum outro aspecto. Todos os carros possuem seus pontos positivos o que igualmente acontece com os diversos tipos de armas, fazendo com que o jogador tenha liberdade e possa criar um veículo de combate ideal, mesclando certos tipos de arma com certo tipo de carro. O bom nisso é a variedade de opções e probabilidades, mesmo não sendo uma versão completa e constando todos os veículos disponíveis para se jogar e todas as armas habilitadas. 
Twisted Metal (Foto: Divulgação)Twisted Metal 










O que parecer ser o ponto positivo mais forte do jogo são os controles. Todo e qualquer tipo de movimento é bem fácil de executar, deixando completamente no esquecimento a experiência de Twisted Metal: Black para Playstation 2. Brecar, acelerar e virar são fáceis e tranquilos de se fazer, criando aberturas para se abusar dos comando ao atacar os inimigos. Cavalos de pau e outras manobras farão parte do repertório que facilitarão a morte dos rivais, sendo que muito treino resultará em vantagens em cima dos adversários, porém a simplicidade de comandos farão a experiência de jogo bem tranquila mesmo variando entre carros, vans, caminhões, motos e helicóptero. E não se esqueça dos Power-ups, eles farão a diferença no jogo.  
Graficamente Twisted Metal está mostrando um visual comum, mas a intensidade de jogo pode explicar melhor porque tudo não é tão maravilhoso quanto um God of War do próprio criador. As arenas estão muito bonitas, bem detalhadas, com muita coisa destruída para ser admirada, viadutos, pontes, prédios, parques, tudo com um visual bem caótico e pós-apocalíptico de primeira. Os carros são simples, porém não decepcionam. Provavelmente a versão final deverá impressionar mais do que vemos agora. 
Como descrito acima, o jogo é desenvolvido basicamente pensando no modo multiplayer, até 4 jogadores simultâneos com a tela dividida e 16 jogadores online se detonando nas arenas, com estilos de jogo básicos como Deathmatch onde todos lutam entre si, Team Deathmatch onde times são formados e brigam para ver quem mata mais e morre menos e o Nuke Mode, onde dois times brigam sendo um de ataque e outro de defesa, onde a defesa protege um canhão lança mísseis que ao serem invadidos pelos atacantes, disparam contra estátuas da defesa e ao destruir todas elas antes do tempo acabar, a defesa perde.
Haverá mais modos de jogo, mas o que a SonyEat Sleep Play e David Jaffe têm para nós, por enquanto, é basicamente isso.